Notícias

Aluguel por temporada

22/05/2024 - Duração de temporada



O aluguel por temporada é uma prática antiga e autorizada pela legislação brasileira. A partir do momento em que a prática passa a ser feita também via plataformas digitais, como o Airbnb, é natural que surjam dúvidas, inclusive em condomínios.

Na legislação brasileira, a locação por temporada é legalmente amparada por normas federais, destacando-se: (i) a Lei do Inquilinato (Lei 8.245, de 18/10/1991), que instituiu a modalidade da locação por temporada em seu Artigo 48; (ii) o Direito Constitucional à Propriedade, garantido no Art. 5º, XXII da Constituição Federal; e (iii) o Código Civil Brasileiro, em especial o Capítulo V de seu Título VI, que regulamenta a locação das coisas.

A Lei do Inquilinato regulamenta a locação de imóveis, independentemente do prazo de duração. O artigo 48 da referida lei, que trata especificamente sobre aluguel de imóveis urbanos, permite expressamente que o proprietário ofereça seu imóvel para locação por temporada (aquela que se destina à permanência temporária do locatário “para prática de lazer, realização de cursos, tratamento de saúde, feitura de obras em seu imóvel”, entre outras finalidades), assim como para locação de longo prazo (períodos acima de 90 dias). Não há definição de qualquer prazo mínimo para a locação por temporada, somente o prazo máximo, que é de 90 dias.

Decisões tomadas em condomínios têm limites bem definidos, que pretendem contemplar o coletivo e devem estar em conformidade com a Constituição Federal. “Os condomínios não podem vedar o aluguel da unidade autônoma, objeto do direito de propriedade alheio. Em primeiro lugar, há expressa disposição legal autorizativa na Lei do Inquilinato. Em segundo, o condomínio não tem competência para regular tal matéria”, destaca Jorge Cesa, doutor em Direito pela Universidade de São Paulo e autor de diversos livros e publicações sobre Direito Civil.



O direito à propriedade de um condômino não é maior do que o direito de outro condômino, embora ambos estejam sujeitos aos limites legais e à Constituição. Por isso, qualquer proibição ao aluguel de um proprietário “pode ensejar abuso de direito e, como tal, ilícito gerador de indenização”, destaca Cesa.

Esse tipo de assunto pode “somente ser tratado por legislação federal”, ressalta Cristiano de Sousa Oliveira, consultor jurídico condominial, membro da Comissão de Direito Constitucional da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP) e autor do livro “Sou Síndico”. Especialistas destacam, ainda, que condomínios não devem impor um período de estadia para hóspedes. “Não pode o condomínio impor período mínimo obrigatório de estadia”, acrescenta Oliveira.

Essa pretensão de estadia mínima do hóspede já foi erroneamente citada como pressuposto de maior segurança para o condomínio. O jurista Anderson Schreiber, professor titular de Direito Civil da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), ressalta:

“A alternância de locatários em locações de curta duração não implica, necessariamente, perturbação do sossego dos condôminos, podendo se realizar de forma ordeira e silenciosa, imperceptível aos demais habitantes no interior das suas residências. Além disso, não existe razão concreta para supor que os usuários da plataforma Airbnb –que realizam cadastramento prévio na própria plataforma– apresentem um grau maior de risco à segurança do condomínio do que qualquer outro locatário ou mesmo proprietário”.

Mesmo essa suposta curta estadia mantém a natureza residencial da locação por Airbnb. É da natureza da locação que os hóspedes não tenham comodidades, mordomias e serviços que são gozados por hóspedes de hotéis. São estadias completamente diferentes, destaca Schreiber. “O curto período da estadia ou a alta rotatividade de locatários são fatores que não alteram a destinação do uso do bem, que continua a ser residencial. Somente haveria alteração da destinação se a unidade autônoma fosse afetada a uso distinto da moradia (transitória ou permanente) do seu ocupante, como na hipótese de locatário que instala ali um fundo de comércio ou uma indústria”, explica Schreiber.

É evidente que locações via Airbnb não se assemelham a serviços de hotéis, nem permitem a seus hóspedes que usem o imóvel de modo prejudicial ao sossego dos vizinhos. Por isso, respeitadas essas condições, exigidas até no Código de Conduta do Airbnb, ficam cristalinos os direitos garantidos pela Constituição Federal, de que o condômino pode exercer sua propriedade, desde que não altere a destinação do imóvel nem prejudique outros moradores, conclui o professor da UERJ. Quando se trata de aluguel por meio do Airbnb, portanto, a regra, a conveniência, a legalidade e a oportunidade são mais do que claras.
  




Fonte: https://www.jota.info/

Outras Notícias

Semana Santa

Estaremos fechados entre os dias 29/03 e 30/03 retornando dia 01/04. A Semana Santa é uma tradição religiosa cristã...

Proclamação da República

15 de novembro é uma data importante no Brasil, pois nesse dia comemora-se a Proclamação da República. Esse evento aco...

Cuidados na decoração com espelhos

É inegável e muito visível o quanto os espelhos podem ser aliados na composição de ambientes. Refletem a luz e ...

Veja como minimizar os riscos à saúde na hora da limpeza diária

Importante: Ao limpar ambientes mais fechados, como o banheiro, procure deixá-lo o mais arejado possível, pois os produtos, como á...

Iluminação com Lustres Pendentes

Saiba que iluminação é um dos fatores mais importantes na decoração. Graças à grande variedade de mo...

Veja algumas novidades de decoração para sua casa em 2023

Tendência de decoração em 2023 para sua Casa Você está pensando em dar uma mudada no visual da sua casa? Que tal u...

Natal 2022

Começamos com uma ótima dica: Cores. O trio composto pelas cores vermelho, verde e dourado é o esperado para a data. S&atil...

Área de churrasqueira

Ter um cantinho em casa para preparar um churrasco bem gostoso é fundamental. A área da churrasqueira merece atenção na ho...

Decoração de varanda de apartamento

Ter um apartamento com varanda é o sonho de muita gente, afinal de contas, é um cantinho para você se sentar e relaxar ou at&eacut...

Cama Box para quartos infantis e de jovens adultos

Cama box: uma boa opção para quarto de crianças? Existem muitas opções lindas de móveis para decora&c...

Informe o número correto
icone-whatsapp 1

A Empresa

  • D.MASSULO Corretor de Imóveis
    Avenida Presidente Joao Goulart n° 272
    Cidade Dutra / Jd Malia II - São Paulo - SP
    (11) 5939-7727 (11) 98637-8658 tim (11) 95762-2368 oi. 
    atendimento@tmnegociosimobiliarios.com.br
    Creci 156.113

    Acesse nossa Política de Privacidade

Contato

  •   Avenida Presidente Joao Goulart, 272, São Paulo

  •   11 5939-7727 | 11 95762-2368

  •   Segunda a Sexta das 9h às 12:30 almoço das 13:45h às 18h | Sábado das 9h às 12h

  •   Fale Conosco
  •   Política de Privacidade

www.tmnegociosimobiliarios.com.br © 2024. Todos os direitos reservados.

Site para Imobiliarias
Site para Imobiliarias

Esse site utiliza cookies para garantir a melhor experiência e personalização de conteúdo. Ao continuar navegando, você concorda com nossa Política de Privacidade.